Páginas

sábado, 21 de agosto de 2021

A EMANCIPAÇÃO DOS DIREITOS DA MULHER

 
Fonte da imagem: https://alo.com.br/wp-content/uploads/2019/02/mulher-empoderada1-1.png


A participação feminina na sociedade grega foi extremamente periférica e minimizada. Muito embora vários séculos distanciem a atual sociedade da antiga sociedade grega, a herança misógina e patriarcal ainda reverbera, seja na política, no esporte ou na cultura. Dessa forma é essencial analisar os elementos responsáveis pela permanência dessa problemática bem como suas consequências.

Sob esse ponto de vista, é necessário apontar a Educação dada pela família e pela escola como fatores motrizes para impasse. Paralelamente, os pensadores Theodor Adorno e Max Horkhaimer, pertencentes à escola de Frankfurt, criticam a manipulação das ideias e pensamentos promovida pelas grandes mídias, fator que reflete no comportamento de todo um tecido social. Sendo assim, o mal nutre-se de uma condição de alienação dos indivíduos que compõem o imaginário comum.

Outrossim, com as raízes tão profundas e com nutrientes a seu dispor, o surgimento de frutos desse entrave são cada vez mais perceptíveis: a invisibilidade da mulher. Segundo o lema da revolução francesa, a igualdade, bem como a liberdade e a fraternidade deveria nortear as sociedades, no entanto isso não tem se efetivado, dado que o papel feminino no futebol ainda é muito recluso e nem de perto se assemelha às regalias que os homens recebem. Tais informações justificam a importância de se agir em prol do combate ao preconceito para com as mulheres.

Portanto, o Estado deve, com urgência, criar campanhas nas escolas, por meio de palestras e oficinas, buscando assim elucidar a importância de se conhecer o papel da mulher na sociedade desarticulando a interpretação patriarcal. Para tanto, a ação de educar visa expor a mulher como plena e capaz de praticar seus direitos enquanto cidadã, seja onde ela quiser, incluindo os campos de futebol.

Somente assim será possível sanar o problema que atravessa civilizações.

Por Victor Hugo Barbosa Batista

Nenhum comentário:

Postar um comentário