Páginas

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

PROVA SOBRE MIGRAÇÕE E REGUGIADOS

 Observe as charges abaixo:




                                       


                                          



1) Quais foram os objetivos da construção dos dois muros retratados?

2) A construção desses muros atingiu seus objetivos? Justifique.

3) Você é favorável à política de construção de muros entre fronteiras? Por quê?

4) IDENTIFIQUE um aspecto relativo às tensões vividas na fronteira entre Estados Unidos e México.



5) Cerca de 200 milhões de pessoas (3% da população mundial) não vivem em seus países de origem. Do ponto de vista do nível de desenvolvimento do país de origem e do país de destino, distinguem-se na atualidade três tipos de fluxos migratórios, identificados no mapa com os números , e . Identifique dois desses movimentos populacionais e aponte a característica principal do perfil do trabalhador migrante que participa de cada um deles.

6) O que motiva esses movimentos?

7) “Fuga de cérebros”. Defina este tipo de migração.



8) Xenofobia o que é ?



9) O que vem a ser etnocentrismo ?

10) Quem são os refugiados ? Explique e dê exemplos.


GABARITO:

1- O primeiro muro entre EUA e México foi construído para impedir a entrada ilegal dos

mexicanos. O segundo muro refere-se ao muro de Berlim e foi construído para dividir o

território sob a influência do Socialismo e do Capitalismo.

2- Não, pois mexicanos continuam entrando ilegalmente nos EUA e em Berlim, durante a

Guerra Fria, várias pessoas passaram do lado oriental para o lado ocidental do muro.

3- Pessoal.

4- Atraídos pelas possibilidades de trabalho e enriquecimento nos EUA, milhares de pessoas

tentam cruzar a fronteira dos EUA com o México. Muitas fábricas norte-americanas,

conhecidas como “maquiladoras”, instalaram-se nos últimos anos na fronteira com o

objetivo de utilizar a mão-de-obra barata oferecida pelos mexicanos que se concentram no

norte do país. Estes imigrantes ao cruzar a fronteira podem enfrentar inúmeros problemas

como prisões, conflitos com fazendeiros, fome entre outros.

5- As migrações internacionais de trabalho são fortemente orientadas pelas características socioeconômicas dos países de origem e de destino desses fluxos.

O mapa representa três movimentos populacionais realizados por três perfis de trabalhadores:

1- Deslocamento de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos: trabalhadores com qualificação reduzida, ocupando atividades pouco valorizadas nos países de destino.

2- Deslocamento entre países desenvolvidos: trabalhadores altamente qualificados, em busca de ampliação de seus horizontes profissionais.

3- Deslocamento entre países pouco desenvolvidos: trabalhadores desempregados ou subempregados, com baixa qualificação, em busca de ocupação em áreas com maior dinamismo econômico.

6- Os fatores econômicos, tais como a busca de trabalho e a fuga de situações de pobreza, são importantes impulsionadores dos fluxos migratórios globais, o que ajuda a entender porque esses fluxos têm se dirigido prioritariamente aos chamados países e regiões de maior desenvolvimento como América do Norte e Europa Ocidental, ou, ainda, o Oriente Médio e alguns países asiáticos como Japão.

7- Fuga de capital humano (também referida como Fuga de cérebros, ou pelo seu termo em inglês, brain drain) é uma emigração em massa de indivíduos com aptidões técnicas ou de conhecimentos, normalmente devido a fatores como conflitos étnicos e guerras civis, falta de oportunidade, riscos à saude e instabilidade política nestes países. Uma fuga de cérebros é geralmente considerada custosa economicamente, uma vez que os emigrados obtiveram suas formações de maneira patrocinada pelo governo. A fuga de cérebros pode ser estagnada, através do fornecimento de conhecimento científico para a sociedade para que ela tenha oportunidades de carreira iguais e dando-lhes oportunidades de provar as suas capacidades. O fenômeno é inverso do ganho de cérebros, que ocorre quando há um fluxo de imigração e pessoas tecnicamente qualificadas para o país, também trazendo consequências financeiras. O termo foi criado pelo Royal Society para descrever a emigração de "cientistas e tecnólogos", à América do Norte da pós-guerra na Europa.[2] As fugas de cérebros são comuns entre as nações em desenvolvimento, como ex-colônias da África,[3] nas ilhas caribenhas[4] e particularmente em economias centralizadas como as extintas Alemanha Oriental e União Soviética, onde as habilidades de mercado não teriam sido recompensadas financeiramente.

8- A Xenofobia é um tipo de preconceito caracterizado pela aversão, hostilidade, repúdio ou ódio aos estrangeiros, que pode estar fundamentado em diversos fatores históricos, culturais, religiosos, dentre outros.

A xenofobia corresponde a um problema social baseado na intolerância e / ou discriminação social, frente a determinadas nacionalidades ou culturas.

A xenofobia gera violência entre as nações do mundo, desde humilhação, constrangimento, e agressão física, moral e psicológica. Tudo isto promovido principalmente pela não aceitação das diferentes identidades culturais.

Inicialmente o termo “xenofobia” foi incorporado aos estudos da psicologia com o intuito de nomear um transtorno psiquiátrico de pessoas que sofrem com o medo excessivo aos estrangeiros.

É considerado um tipo de aversão irracional aos estrangeiros, o que gera demasiada angústia e ansiedade nos pacientes. Nesses casos, o tratamento é feito por meio de terapia comportamental.

9- É a visão de que um determinado grupo étnico é de alguma forma superior a todos os outros.

10- O conceito de refugiado foi regulado pela Organização das Nações Unidas por meio da Convenção das Nações Unidas sobre o Estatuto dos Refugiados, realizada em 1951 e adotada em 1954. Segundo a ONU, na convenção em questão, para ser considerada refugiada, a pessoa precisa declarar que se sente perseguida pelo Estado de sua nacionalidade por razões de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas; que se ausentou de seu país em virtude desses termos ou que não consegue a proteção do poder público pelas mesmas razões. Existem vários tipos de refugiados no mundo, alguns por condições de perseguição política, outros pela existência de conflitos armados e guerrilhas, além daqueles que sofrem com a fome, discriminação racial, social ou religiosa e até os refugiados ambientais, entre muitos outros tipos. Os principais conflitos atuais que elevam o número de refugiados estão na África e na Ásia, destacando-se, nessa última, o Oriente Médio. Entre esses conflitos, podemos enumerar:

África – oito conflitos: Costa do Marfim, República Centro-Africana, Líbia, Mali, norte da Nigéria, República Democrática do Congo, Sudão do Sul e Burundi; Oriente Médio – quatro conflitos: Síria, Iraque, Afeganistão e Iêmen; Europa – um conflito: Ucrânia; Ásia – três conflitos: Quirguistão, Mianmar e Paquistão.